gripe H1N1

Gripe H1N1: saiba quais são os sintomas e como se prevenir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
clock (1)
5 min.

Conhecida mundialmente a partir de 2009, a gripe H1N1 se tornou uma epidemia na época, causando uma infecção respiratória forte, com agravamento do estado de alguns infectados e vários óbitos. Apesar de uma década ter se passado, ela ainda preocupa cientistas e profissionais de saúde pela fácil propagação, principalmente, no inverno.

Conhecida também como gripe suína, criou-se o estigma de que a doença pudesse ser transmitida pela ingestão da carne de porco. Porém, isso não é possível. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a presença do vírus seria eliminada quando o cozimento da carne fosse em temperatura elevada — acima de 71ºC.

Com sintomas parecidos com os da gripe comum, a gripe H1N1 pode se manifestar de modo mais intenso em jovens, asmáticos e gestantes. Para sua proteção, conheça os principais sinais, tratamentos e medidas de prevenção contra a doença.

O que é a gripe H1N1

“A gripe H1N1 é um subtipo de influenzavirus do tipo A, sendo composta por combinações genéticas da gripe humana, aviária e suína. Devido a sua alta propagação em porcos, ela foi confundida, inicialmente, com o vírus que atingia esses animais”, é o que explica o pediatra Felipe Folco.

A transmissão da doença pode ocorrer, até mesmo, no período de incubação, que dura de três a cinco dias, em média. Após esse período, o paciente começa a manifestar os sintomas.

“Esse vírus se propaga por meio de partículas da saliva ou de secreções das vias respiratórias. Assim, o contágio é feito pelo contato direto com animais, objetos ou pacientes contaminados”, acrescenta o médico.

Qual a diferença da gripe H1N1 para a gripe comum

“Por possuir uma estrutura complexa com mais componentes em relação à gripe comum, a influenza A se adapta a diversos tipos de organismo, estando em constante ciclo de mutação, com alterações significativas ao longo dos anos”, explica o Dr. Felipe Folco.

Essas mudanças constantes criam uma espécie nova do vírus, ainda não conhecida, como ocorreu em 2009. Por isso, a gripe H1N1 se torna mais resiste no organismo, se propagando rapidamente e causando alguns casos graves.

Sintomas da H1N1

Os sintomas da gripe H1N1 são muito parecidos com os da gripe comum. Então, é necessário ficar atento aos sinais, principalmente, em pacientes que possuem histórico de doenças crônicas. Os indícios também podem se desenvolver de forma grave em crianças, idosos e gestantes.

Os sintomas da H1N1 incluem febre repentina, com temperatura acima de 38ºC ou 39ºC, dores musculares, na cabeça, articulações e garganta, além de tosse, coriza, diarreia, cansaço, vômito e irritação nos olhos.

Diagnóstico e tratamento

Por obter sintomas bem similares aos da gripe convencional, a influenza A é diagnosticada por meio de um teste rápido, que coleta a saliva do paciente e, em poucos segundos, detecta se existe a presença do vírus no organismo. A partir daí, a pessoa é encaminhada ao tratamento.

A H1N1 tem cura. Para erradicação do vírus, o médico pode recomendar diversos medicamentos específicos ou antigripais comuns, de acordo com o quadro e a condição de cada paciente. Portanto, evite a automedicação e consulte um especialista.

Vacina contra H1N1

Um dos principais métodos de proteção contra a doença é a vacina H1N1, que possui poucos efeitos colaterais e pode ser encontrada no mercado em dois tipos: a trivalente, eficaz para dois vírus de influenza A e um da família B, ou a tetravalente, que imuniza para estes e mais um tipo de vírus da cadeia B.

Ambas são seguras e eficazes, tendo efeito a partir de duas ou três semanas após sua utilização. Apesar disso, ela não é indicada para alérgicos a proteína do ovo, pois pode conter a ovoalbumina, substância presente em ovos de galinha.

Como se prevenir

Um dos principais métodos de proteção são as vacinas já citadas acima. Porém, é muito importante adotar algumas ações para se proteger:

  • Lavar as mãos constantemente com água e sabão, higienizando-as, também, com álcool gel;
  • Não levar a mão nos olhos, boca ou nariz quando tiver contato com alguma superfície, ou objetos de uso coletivo;
  • Não compartilhar copos, talheres e pratos de uso pessoal;
  • Manter uma alimentação equilibrada e saudável;
  • Praticar atividades físicas, ao menos, duas vezes por semana,
  • Manter suas consultas ou exames em dia.

Para se manter sempre saudável, é muito importante consultar seu médico periodicamente e realizar os procedimentos solicitados. Assim, é possível entender como anda sua saúde, além de prevenir ou diagnosticar alguns quadros clínicos para tratamento imediato.

Para realizar seus exames de modo prático e econômico, conte com a ajuda da Comigo Saúde. Aqui, você encontra diversas instituições de qualidade para fazer seus procedimentos por um preço acessível e pagamento facilitado em até 10 vezes no cartão.

*Texto revisado pelo Médico Dr Felipe Folco CRM 100694

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Baixe nossos
materiais exclusivos

e tenha acesso a conteúdos sobre

Baixe nossos materiais exclusivos e tenha acesso a conteúdos sobre

saúde e bem estar

Receba nossos conteúdos gratuitamente.
Toda semana enviamos diretamente na sua caixa de email dicas de saúde, bem estar e descontos.

Também detestamos spam!

POSTS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nossos conteúdos gratuitamente.
Toda semana enviamos diretamente na sua caixa de email dicas de saúde, bem estar e descontos.

Também detestamos spam!

Baixe nossos
materiais exclusivos

e tenha acesso a conteúdos sobre

Baixe nossos materiais exclusivos e tenha acesso a conteúdos sobre

saúde e bem estar